Copyright 2017 ADV Credi - Todos os direitos reservados FAQ|Fale Conosco
FAQ
  1. Quem Somos?       

    A ADV Credi, como todas as cooperativas é a união de pessoas com interesses comuns, tendo como missão principal servir de instrumento para agregar, administrar, manter e otimizar os recursos econômico-financeiros gerados pelos associados, de modo a garantir a satisfação de suas necessidades e a excelência dos produtos e serviços aos seus associados.

  2.    
  3. Quem pode ser associado na ADV Credi?       

    Poderão associar-se à Cooperativa os advogados inscritos na OAB/RJ, sociedades de advogados e entidandes da advocacia sem fins lucrativos. Poderão associar-se também as seguintes pessoas físicas: colaboradores da própria Cooperativa, funcionários de entidades associadas à Cooperativa e daqueles de cujo capital a mesma participe e prestadores de serviços em caráter não eventual.


  4.    
  5. O associado ao sair da cooperativa receberá seu capital?       

    Sim, no entanto a devolução do capital está condicionada a aprovação das contas do exercício em Assembleia Geral. Ordinária de prestação de contas do exercício.

     
  6.    
  7. O associado pode pedir sua demissão quando quiser?       

    Sim. A demissão do associado, que não pode ser negada, poderá se dar a qualquer momento unicamente a seu pedido, por escrito.


  8.    
  9. Quais as vantagens em relação a uma instituição financeira tradicional?       

    Na ADV Credi o profissional da saúde não é só um cliente especial, é DONO. Além de tudo que um banco tradicional oferece, você conta com benefícios adicionais:

               
    • ECONOMIA: Isenção ou redução de taxas, tarifas e até impostos...

    •             
    • Maior RENTABILIDADE nas aplicações...

    •             
    • Menores juros em empréstimos criados exclusivamente para o seu perfil...

    •             
    • SEGURANÇA E CREDIBILIDADE de uma instituição que está em 33° lugar em patrimônio líquido no ranking nacional do Banco Central do Brasil, superando grandes instituições...

    •             
    • E principalmente, PARTICIPAÇÃO NAS SOBRAS no final do ano e atendimento personalizado como dono da sua cooperativa, com uma diretoria eleita entre os seus próprios colegas...
    •    

  10.    
  11. Qual a diferença entre uma cooperativa, um banco e outras instituições financeiras?
            

    Por não ter fins lucrativos, as cooperativas de crédito praticam taxas de aplicações maiores e taxas de juros bem abaixo do mercado. Além disso, pratica tarifas e taxas reduzidas ou inexistentes em relação ao que praticam os bancos.

    O atendimento personalizado é o grande diferencial da cooperativa, assim como a distribuição de sobras ao final de cada ano entre os associados. Na cooperativa de crédito, o associado tem direito a um voto, diferente das outras sociedades, onde quem manda é o capital.       

    O maior objetivo das cooperativas é atender às expectativas dos associados, por isso os produtos e serviços são adequados às suas necessidades e perfis.


  12.    
  13. Qual a responsabilidade dos associados na cooperativa?       

    O associado responde subsidiariamente pelas obrigações contraídas pela cooperativa perante a terceiros, até o limite do valor das cotas-partes do capital que subscreveu.

       
  14.     
  15. Que garantias o associado tem de que seu dinheiro está seguro?       

    A cooperativa é uma instituição financeira, e está sujeita às diretrizes e normas elaboradas pelo Banco Central do Brasil. Deverá também atender os dispositivos estabelecidos em regimento interno, editado pelas Centrais.

    Mais de 1.920.000 associados em 584 cooperativas e um Banco que ocupa o 22º lugar em Ativos Totais no ranking da Revista Exame de 2010


        
  16. Quem tem direito a empréstimos e financiamentos?       

    Todo associado pode fazer financiamentos e empréstimos na cooperativa. O associado preenche a proposta de empréstimo, solicitando o valor que ele precisa. As propostas são submetidas para análise de um comitê de crédito, que levará em consideração, entre outros, a capacidade de pagamento do associado, a necessidade do empréstimo e o volume de solicitações em relação aos recursos disponíveis na cooperativa para esse fim.